quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Fotos de árvores de Arceburgo/MG que aparecem na pesquisa Google

Quando se pesquisa algo no Google, aparecem ao lado do texto algumas fotos. Não sei qual é o critério para ser selecionada/escolhida. Enfim, estas fotos que fiz de árvores que plantamos nos nossos projetos aqui de Arceburgo/MG, neste momento figuram entre as destacadas. São elas:


Nome popular - Numero de fotos

Paineira-vermelha-da-índia - 1
Fruta-do-sabia - 1
Pau-de-viola    - 1
Corticeira-da-serra -1
Paineira- Branca    -1
Palmeira-que-anda - 2
Árvore sananduva  - 2

Confira na pesquisa Google.





Uma das fotos publicadas da Corticeira-da-serra


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Calango

Tropidurus torquatus


O tropidurus torquatus conhecido popularmente por calango é um tipo de lagarto. Porém é um pouco menor mede cerca de 30 cm e com uma cauda relativamente curta são animais bem abundantes, principalmente quando nos referimos as regiões secas, com muitas rochas, troncos e regiões que sofreram modificações pelo homem como os jardins.

Se originam em sua grande maioria da América do Sul países como Argentina, Uruguai,Paraguai e no Brasil se concentra em Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Bahia e Espírito Santo.

Eles são bem encorpados, robustos, tem as patas longas, o dorso é geralmente acobreado com manchas cinza bem escuras quase chegando ao preto podendo estar na horizontal ou vertical. O ventre costuma ser a parte mais clara do corpo. E uma característica em machos é que alem de serem maiores eles tem a garganta com uma coloração preta assim como a causa e uma parte das coxas.
São animais que possuem uma ótima resistência,além do que possuem uma dieta bem variada a qual incluem invertebrados, vertebrados num tamanho menor bem como vegetais .No topo de sua dieta estão as formigas, depois abelhas, cupins, aranhas, flores e sementes.

Eles têm o que se chama de tática de forrageamento ou seja não vão a caça de suas presas a sua estratégia é mais diferenciada, eles permanecem onde estão e esperam a presa aparecer.

Essas características (principalmente) fazem com que os calangos sejam animais de fácil adaptação e encontrados em locais diversos e isso faz com que os calangos sejam esse sucesso no quesito de convivência e criação.

Quanto a reprodução é feita em ciclos ou seja tem uma época propicia que no caso dos calangos é na época de chuvas a qual costumam ficar mais resguardados.A ninhada pode ter de 4 a 6 ovos que podem chegar a 120 dias de incubação dependendo da espécie. Cada fêmea pode ter mais de uma ninhada por ano.

De hábitos diurnos ficam principalmente em árvores baixas assim como vegetação herbácea e gramíneas.
Podem ser observados também em terrenos arenosos, lugares com troncos, pequenos arbustos inclinados e entre cactos assim como restingas. Eles não gostam de ficar muito no solo preferem ficar abrigados em pequenas tocas principalmente nas horas mais quentes do dia e no período da noite.

www.bichosbrasil.com.br/tropidurus-torquatus/



Fotos de minha autoria, feitas na Serraria do Paulinho, aqui em Arceburgo/MG.

A identificação da espécie foi feita por Philippe Nicolau ,Biólogo e Mestrando em Biologia de Vertebrados pela Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas). Com experiência nas áreas da educação, meio ambiente, pesquisa em ecologia e comportamento das aves, e curadoria de laboratórios.

Par saber mais sobre Lagartos aqui no Blog, acesse:

Blog do Ademir Carosia: Tupinambis sp.

ademircarosia.blogspot.com/2011/05/tupinambis-sp.html

Lagartos de Arceburgo/MG - Numero 2

Bichos de Arceburgo/MG  -  Numero 15

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Beija-flor-vermelho espécie rara/escassa em Minas Gerais aparece em Arceburgo/MG.

Beija-flor-vermelho

Chrysolampis mosquitus

Gênero CHRYSOLAMPIS  Boie

Outro nome popular: Colibri rubi.


Ontem e hoje fotografei esta ave aqui na zona rural. A ave estava alimentando do néctar do Pau-de-viola. Apesar de jovem e a plumagem ainda não estar formada, quando está em voo é de um espetáculo lindo, aquele vermelho tingindo o verde da mata. Fiquei extasiado vendo esta cena. Interessante que minha ultima postagem foi sobre o Lajedo dos beija-flores , situado na Bahia, local lindo onde este beija flor aparece muito.  Comentei que é um lugar que gostaria de conhecer. Coincidência ele veio até a mim.
É uma espécie rara/escassa aqui em Minas Gerais. No WikiAves consta apenas 52 registros, mas como em algumas cidades tem mais de um registro, e foi fotografado em apenas 27 cidades, das 853 que compõe nosso querido Estado de Minas Gerais.


Observem o lindo colorido da cauda. Em voo é de uma beleza impar.

Volta e meia uma destas raridades aparecem aqui na nossa pequenina cidade, um dos menores municípios de Minas Gerais. Algumas raras/escassas em Minas Gerais e outras até no Brasil. Beija-flor-dourado, Bico-reto-azul, Beija-flor-de-bochecha-azul.

Para saber sobre eles aqui no Blog:

Blog do Ademir Carosia: Beija-flor-de-bochecha-azul especie rara ...

ademircarosia.blogspot.com/2016/06/beija-flor-de-bochecha-azul-especie.html
2 de jun de 2016 - Como já disse na outra postagem, somente avistei um beija-flor deste voando rápido, nem deu tempo para fazer foto, e agora esta fêmea ...

Blog do Ademir Carosia: Bico-reto-azul beija-flor raro/escasso em ...

ademircarosia.blogspot.com/2016/06/bico-reto-azul-beija-flor-raroescasso.html
2 de jun de 2016 - Bico-reto-azul beija-flor raro/escasso em Minas Gerais e no Brasil aparece em .... beija-flor-de-bochecha-azul (Heliothryx auritus) - Femea ...

Blog do Ademir Carosia: Beija-flor-dourado raro/escasso em Minas ...

ademircarosia.blogspot.com/2016/04/beija-flor-dourado-raroescasso-em-minas.html
11 de abr de 2016 - Nota-se que tem em duas cidades, com 2 registros, portanto, ele foi fotografado em somente 4 cidades mineiras. Agora com Arceburgo/MG, vai ...

As 26 cidades mineiras onde ele foi visto segundo o WikiAves são:
Carlos Chagas
Pirapora
Carmo do Paranaíba
Conceição dos Ouros
Santana do Riacho
Turmalina
Ponto dos Volantes
Serro
Diamantina
Pitangui
Santo Antônio do Monte
Lagoa Formosa
João Pinheiro
Japonvar
Timóteo
Aimorés
Umburatiba
Matias Cardoso
Manga
Pedra Azul
Marliéria
Curvelo
Serranópolis de Minas
Rubelita
Governador Valadares
Janaúba


sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Lajedo dos beija-Flores

Boa Nova-BA -Brasil -

Observação de Beija-flores


 O motivo do qual se chama lajedo dos beija – flores são devido à grande quantidade de espécies que frequenta o ambiente, que é uma área bastante ampla, que mede 30 hectares só de rocha lembrando, que no mesmo local encontra – se diversos tipos de orquídeas, cactos e outras espécies de aves.     
 Em volta do lajedo que fica em uma área de transição entre a caatinga e mata de cipó, também lhe mandei uma foto de um beija – flor, visitando a flor de um cacto, que é a vegetação que atrai os mesmos que são: Chrysolampis mosquitus, Chlorostilbon notatus, Thalurania glaucopis, Chlorostilbon lucidus,  Clytolaema rubricauda, Amazilia láctea, Amazilia versicolor, Heliomaster squamosus, Hylocharis cyanus, Eupetomena macroura, Florisuga fusca, Anthracothorax nigricollis. 
Josafá Sampaio de Almeida
Cel: 77 – 9995 0362



Lugar lindo, pedras, cactos.


Cacto cabeça-de-frade.



Beija-flor sugando o néctar do cacto cabeça-de-frade.

Esta sequência de fotos foram feitas no local por Josafá Sampaio de Almeida, e gentilmente cedidas para esta matéria.


Beija-flor-vermelho - Chrysolampis mosquitus (Linnaeus, 1758)
Foto gentilmente cedida para esta matéria por Pedro Ávila, feita em 25.11.2012, em Lajedo dos beija-flores, Boa Nova-BA


Observação do autor: O lajedo dos beija-flores, cujo topo é uma vasta extensão (34 ha.) de pedra recoberta por arbustos esparsos e grande quantidade de cabeças-de-frade floridas, é um dos recantos mais fascinantes do parque. 

Guiados por Josafá, em companhia de Marcus Mello e do ecólogo Rafael Furtado.


Lindas fotos do beija-flor-vermelho foram feitas neste local.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Anartia jatrophae

Pavão Branco 
Anartia jatrophae (Linnaeus, 1763)


Família: Nymphalidae

Subfamília: Nymphalinae
Identificação: Upperside é branco com manchas castanho-claros e uma fileira dupla de crescentes de luz nas margens. Forewing tem uma mancha redonda, preta; Hindwing tem dois. A forma da estação seca (inverno) é maior e mais pálida; Estação chuvosa (forma de verão) é menor e mais escura.

Período de asa: 2 - 2 3/4 polegadas (5,1-7 cm).

História de vida: Machos de patrulha e, ocasionalmente, poleiro para encontrar fêmeas. Os ovos são colocados isoladamente perto da planta hospedeira ou sob suas folhas.

Flight: Ao longo do ano no sul do Texas e do sul profundo.

Caterpillar exércitos: hissopo água (Bacopa), Ruellia e Lippia.

Food Adulto: Pastor \ 's agulha (Bidens pilosa), na Flórida; Cordia, Casearia e composites na América Central.

Habitat: Open, áreas úmidas, como bordas de lagoas e riachos, ao longo de valas rasas, campos de convivência, parques.

Gama: Residente da Argentina norte através da América Central, México e as Índias Ocidentais para sul do Texas e do sul da Flórida. Migra e coloniza temporariamente ao Texas central e ao litoral da Carolina do Sul. Um vagabundo raro a North Carolina, Missouri, Nebraska, e Kansas.

Conservação: Status Monitor das populações dos Estados Unidos.

NCGR: G5 - comprovadamente seguro globalmente, embora possa ser bastante raro em partes de sua escala, especialmente na periferia.

Gestão de Necessidades: Nenhum relatado.
Taxonomia Notas:
Fonte - Citação:
http://www.butterfliesandmoths.org/species/Anartia-jatrophae

Anartia jatrophae - Butterflies and Moths of North America | collecting ...

www.butterfliesandmoths.org/species/Anartia-jatrophae
Traduzir esta página
Anartia jatrophae (Linnaeus, 1763). Family: Nymphalidae. Subfamily: Nymphalinae. Identification: Upperside is white with light brown markings and a double ...

Foto de Ademir Carosia, feita em Arceburgo/MG.

Identificação da especie por João Angelo Cerignoni - Técnico do Departamento de Entomologia e Acarologia da Esalq/USP - Piracicaba-SP
Autor do livro Borboletas.
 
Anartia jatrophae – Parente próxima da A. amathea, esta espécie é comum em áreas bem abertas. É fácil vê-la voando baixo na vegetação rala das dunas próximas ao mar.

Borboletário

borboletasbr.blogspot.com/
28 de set de 2016 - Postado por João Ângelo ™ às quarta-feira, novembro 09, 2016 ... O Borboletário se encontra no centro do Pavilhão das Borboletas, na sombra de sua .... Facebook. Joao Angelo Cerignoni · Criar seu atalho. Arquivo do blog.
BORBOLETAS DE ARCEBURGO/MG - NUMERO 11

Para saber mais sobre borboletas neste blog clique em 


Blog do Ademir Carosia: Dynamine tithia

ademircarosia.blogspot.com/2015/05/dynamine-tithia.html
20 de mai de 2015 - Autor do livro Borboletas. Tithian Sailor. Dynamine tithia (Hübner, 1823). Família: Nymphalidae. Identificação: Masculino é iridescente azul ...


Blog do Ademir Carosia: Callicore hydaspes

ademircarosia.blogspot.com/2016/02/callicore-hydaspes.html
1 de fev de 2016 - Callicore hydaspes. Nymphalidae, Biblidinae. Callicore hydaspes. Espécie exclusiva do dossel. Conhecida popularmente com borboleta 8D, ...

Blog do Ademir Carosia: Biblis hyperia

ademircarosia.blogspot.com/2016/03/biblis-hyperia.html
20 de mar de 2016 - Blog do Ademir Carosia ... Biblis hyperia - Butterflies and Moths of North America . ... BORBOLETAS DE ARCEBURGO/MG - NUMERO 10.




sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Iridescencia do Beija-flor

Iridescente = Que mostras as cores  do arco-iris.

O espetáculo colorido dos beija-flores, em cuja plumagem os tons metálicos rivalizam com iridescências dimantinas,  origina-se do fenômeno da refração da luz, através da microestrutura das penas. As mudanças de cores, observadas numa mesma ave, variam de acordo com o ângulo de incidência da luz solar, ou com a movimentação do corpo. Os efeitos destas deslumbrantes mutações de cores assemelham-se, as vezes, ao cintilar de pedras preciosas, como o rubi, a safira e o topázio  servindo para designar algumas especies de troquilídeos. O brilho da plumagem dos colibris, que freqüentemente imita o colorido das flores visitadas por eles, tem sugerido a alguns naturalistas uma forma de proteção para aquelas aves que, confundindo com as inflorescências,  iludem seus predadores habituais: cobras arborícolas,  aranhas, caranguejeiras, marimbondos, camaleões e o temível caburé-do-sol ( Glaudicium brasilianum).
Citação - Jardim dos Beija-flores - Johan, Christian Dalgas Frish.


Estrelinha-ametista - Calliphlox amethystina (Boddaert, 1783
Macho -adulto

Fiz estas duas fotos em Arceburgo-MG, na Fazenda Cachoeira, a ave estava sugando néctar na planta Corda-de-viola, fez uma pausa, o suficiente para que pudesse fazer esta belas  imagens.  Aqui fica bem a mostra da iridescência do beija-flor, trata-se da mesma ave, foto na sequência. Apenas mudou a posição.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Physalaemus nattereri

anfíbios

Physalaemus nattereri (Steindachner, 1863) 


Cuiabá sapo anão) é um nativo do sapo para o centro e sudeste do Brasil e Oriental Bolívia e Paraguai . [2] 


Ela tem dois "olhos falsos" na sua retaguarda. 
O 3-4 cm sapo levanta sua extremidade traseira quando ameaçado, predadores surpreendentes. Esta característica é tão perigosa e intimidante porque, não importa se você está na frente ou nas costas do sapo, ele sempre aparece para ser olhando para você. Se um predador não se deixe enganar pelas eyespots, e decide se aproximar, o sapo pode produzir uma secreção desagradável que vem de glândulas localizadas nos ocelos. [3] Ele tem pernas curtas e um corpo gordo.

Habitat

Physalaemus nattereri é uma fossorial sapo e sazonal. Habita savanas e pradarias no Cerrado bioma e é encontrado no chão, perto permanentes e temporárias waterbodies, como lagoas e pântanos. [1]


Reprodução 


Um estudo realizado em Bodoquena (no Mato Grosso do Sul Estado do Brasil) encontrados Physalaemus nattereri ser um criador de explosivo, com a maior parte da atividade reprodutiva ocorre dentro de poucos dias após chuvas fortes.Os machos formaram coros para atrair as fêmeas, mas eles também podem procurar ativamente por fêmeas. A desova foram depositados nas margens de lagoas temporárias. Vários pares podem usar o mesmo ninho de espuma.o tamanho da ninhada média foi de cerca de 3800 ovos. As fêmeas foram maiores (média de comprimento do focinho-vent 51 mm (2,0 pol), faixa de 43-56 mm, média de massa corporal de 19,3 g) do que os homens (47 mm (1,9 pol), faixa de 43-55 mm; 11,4 g). Ovários fez cerca de 22% da massa corporal do sexo feminino; fecundidade aumentou com o tamanho do corpo fêmea. [4]

Referências 


  1.  Lucy Aquino, Steffen Reichle, Débora Silvano, Norman Scott (2004). "Eupemphix nattereri" . IUCN Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. Versão 2013,2. União Internacional para a Conservação da Natureza . Retirado03 de junho de 2014.
  2. ^ Geada, Darrel R. (2014). "Physalaemus nattereri (Steindachner, 1863)" Amphibian Species of the World:. Uma referência em linha. Versão 6.0. Museu Americano de História Natural. Retirado 03 de junho de 2014.
  3. ^ Camuflagem e mimetismo - Owen, Dennis Frank, 1980
  4. ^ Rodrigues, Domingos de J .; Masao Uetanabaro; Frederico S. Lopes (2004). "Estratégias reprodutivas de Physalaemus nattereri (Steindachner, 1863) e P. albonotatus (Steindachner, 1864) na Serra da Bodoquena, Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil" (PDF). Revista Española de Herpetologia . 18: 63-73.

https://en.wikipedia.org/wiki/Physalaemus_nattereri

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

Nome popular : Cuiaba Dwarf Frog (Frost, 2014).
Biologia: Espécie de rã de porte médio, atarracado, possuindo padrão dorsal de manchas e faixas, formando um mosaico de coloração marrom-claro, marrom-escuro e avermelhado. Pode ser facilmente distinguida de outras espécies do Gênero por possuir duas grandes manchas ocelares de coloração negra, sobre glândulas integumentares, situadas na região inguinal do corpo e região ventral da coxa branca com manchas vermiformes negras. Tubérculo metatarsal em forma de pá presente nas mãos. 
Habitat e Ecologia: É encontrada em áreas abertas, utilizando lagos temporárias, naturais ou artificiais, de pouca profundidade, após fortes chuvas no início da estação chuvosa. Espécie possui hábitos terrestres e noturnos, dieta insetívora.  A desova, que pode ser comunal, é realizada em ninhos de espuma localizadas nas margens das poças, onde são depositados em média 3.500 ovos. O táxon é frequentemente encontrado se reproduzindo em açudes em áreas rurais, portanto, podendo apresentar alguma tolerância à modificações no habitat. 
Distribuição: está amplamente distribuída na região centro-oeste e sudeste do Brasil. Está associada aos biomas caracterizados por áreas abertas como o Cerrado e Chaco (Nascimento et al, 2005; Frost 2014).  
Ameaças: Fragmentação de habitat causados principalmente pelas atividades agropecuárias.Fase larval: Comprimento total 32,64 ± 1,02 mm. Corpo globular, ovóide em vista dorsal e globular
em vista lateral. Focinho pontudo em vista dorsal e curvado em vista lateral. Olho pequeno, dorsal, dorsolaterais dirigido. Espiráculo sinistro, longo e largo, com abertura no terço médio o corpo, posteriormente dirigido com parede centrípeta totalente fundida com a parede do corpo. Fórmula oral de fileira de dentes 2 (2) / 3 (1); A-1 mais curto do que a A-2, P-2 ligeiramente mais longo do que P-1 e P-3. Mandíbula com bainha pequena e serrilha triangular; Bainha superior da mandíbula em forma "arco" e inferior em "V". Coloração em vida marrom, com o músculo da cauda pigmentado e nadadeiras translúcidas pigmentadas.
Citação:
http://www.lafuc.com/physalaemus-nattereri-

lafuc | Physalaemus nattereri

www.lafuc.com/#!physalaemus-nattereri-/c8er
Nome popular : Cuiaba Dwarf Frog (Frost, 2014). Biologia: Espécie de rã de porte médio, atarracado, possuindo padrão dorsal de manchas e faixas, formando ...

Identificação da espécie
Felipe Bittioli R. Gomes
Biólogo, Mestre em Ecologia e Comportamento Animal, Doutorando
Programa de Pós-graduação em Ecologia - PPG-Eco
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA
Manaus - AM

Para saber mais sobre anfíbios neste Blog.
http://ademircarosia.blogspot.com.br/2016/03/sapo-cururu.html

Nota do Blog
Fiz estas fotos no meu quintal. Ficamos um longo período sem chuvas aqui. Neste final de semana passada, deu uma bela chuva, enquanto chovia este sapinho vocalizou alto, e sem parar. Parecia dar boas vindas a chuva, até gravei. A vocalização, mais o barulho da chuva.

BICHOS DE ARCEBURGO/MG - NUMERO 14

ANFÍBIOS DE ARCEBURG0/MG - NUMERO 2