terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Beija-flor-vermelho

Chrysolampis mosquitus

Gênero CHRYSOLAMPIS  Boie

Outro nome popular: Colibri rubi.


MACHO - ADULTO - VOANDO

Esta foto foi gentilmente cedida para esta matéria por Adams Serra, feita em Governador Valadares-MG, nas Chacaras Braunas em 27.07.2010. É a foto mais bem avaliada no WIKIAVES da espécie, e  já foi visualizada 8.866 vezes. 
Observação do autor: Esta figurinha apareceu e ficou no meu quintal quatro dias, depois de muita briga com o beja-flor-tesoura que se acha o dono do pedaço, ele desapareceu.

Distribuição geográfica: Colômbia, Guianas, Ilhas de Trinidad Tobago, Aruba, Curaçau, Bonaire, Brasil,Venezuela,  Bolívia. No Brasil desde Rio Branco até o Paraná com exceção do Amazonas e Rondônia.

Características: medidas:Medidas:  Comprimento 90 mm. Bico 9-11 mm. Asa 58. Cauda 37. Peso 4,1 g. Vibrações de asa 30 p.s Temperatura 41 C. Dimensões e peso dos ovos: 14,2 mm. x 9 mm. 0,45 g. Dimorfismo sexual, muito diferenciado.


SEXO - IDADE - INDETERMINADO - POUSADO -

Esta foto foi gentilmente cedida para esta matéria por Pedro Ávila, feita em Lajedo dos Beija-flores, Boa Nova-BA, em 25.11.2012. É uma das mais bem avaliadas no WIKIAVES.
Observação do autor: O lajedo dos beija-flores, cujo topo é uma vasta extensão (34 ha.) de pedra recoberta por arbustos esparsos e grande quantidade de cabeças-de-frade floridas, é um dos recantos mais fascinantes do parque. 
Guiados por Josafá, em companhia de Marcus Mello e do ecólogo Rafael Furtado.

Habitat: Mata virgem, secundaria, scrub, cerrado e savana.

Migração: Grande migratória.

Descrição: Lado dorsal, marrom-castanho-escuro; parte emplumada do bico, fronte, vértice e nuca,  vermelho-magenta-iridescente. Lado ventral com mento, garganta e peito alto amarelo-topázio-iridescente; restante do corpo marrom-enegrecido; crisso com tufos brancos salientes; infracaudais vermelho-castanho claro. Retrizes vermelho-castanho com uma estreita faixa terminal enegrecida. Fêmea: dorsalmente verde-fosco-bronzeado; ventralmente branco-acinzentada; infracaudais quase brancas; retrizes centrais verde bronzeadas, as demais com base negro-purpura, seguida de faixa avermelhada e pontas brancas. Jovens, como a a fêmea.
FÊMEA - NINHO - CHOCANDO -

Foto gentilmente cedida para esta matéria por Vital Teixeira, feita Estrada do Machadinho, Itagibá-BA, em 07.09.2010.

MACHO - ADULTO - PERFIL -

Esta foto foi gentilmente cedida para esta matéria por Marcos Ribeiro, feita na fazenda Pedra D'Anta, Lagoa dos Gatos-PE, em 13.10.2010. Esta linda foto mostra a beleza também do perfil ave, e é uma das mais bem avaliadas no WIKAVES. Já foi visualizada 1.182 vezes


Biótopos para nidificação, banho, canto, descanso, parada nupcial e dormir. 
Esta espécie nidifica de preferência em scrub e savana, sendo seu ninho apoiado sobre um ramo ou mesmo em forquilha. Em formato de taça, construído totalmente de material macilento, de painas diversas, preso nas paredes externas, constituídas de fragmentos muitos finos de córtex ou raramente de algum pequeno líquen. É de coloração pardo-claro, e esta a uma altura que varia de 1 a 3 metros do solo. Só a fêmea cuida do ninho, incubação e prole. A incubação é de 14-15 dias. O banho é tomada nas folhas úmidas pela chuva ou orvalho, de preferência com folhas de pequeno porte, como certas mirtáceas e folíolos de leguminosas etc. O canto é bastante sonoro, pois seu tliii, tliii, tliii... é repetido por muito tempo em horas de sol, quando esta em seu pouso preferido. O banho de sol é muito apreciado por esta espécie em quase todos os momentos, pois abre toda cauda, vira a cabeça para que o sol o atinja o mento e eriça as penas da cabeça, e virando de um lado para o outro. O dormir  é sempre em local de vegetação densa e emaranhada. A parada nupcial se realiza nas fases de perseguição da fêmea, apresentação e exibição da plumagem com vôos, seguidos de canto. Na fase de exibição da plumagem, o macho, em voo de libração, de cauda aberta em leque e com movimentos seguidos, eriça e abaixa as penas da pterila cefálica, que avança como um baixo topete até as regiões posterior e inferior da nuca. Ainda contrai a mácula da garganta, que forma assim uma nuance iridescente que vai do verde-escuro ao ouro-brilhante. Esse todo e mais a cabeça em magenta-iridescente, formam um jato resplandescente de luz em movimento, rodeando a fêmea, que, pousada, não tarda a se encantar, pois a cauda sempre aberta em leque que o macho exibe o torna espetacularTambém a fêmea, de quando em quando, distende a cauda, enquanto assiste esta exibição do macho, sua cauda também tem várias faixas entre o cinza-metalizado, o castanho e o esbranquiçado. Isto parece excitar ainda mais o macho e este, então, cantando sua frase dissilábica continuamente, acompanha todos movimentos da fêmea em pouso, até que recebe o consentimento de acasalamento.

Reconhecimento em seu habitat:  O canto inconfundível, a coloração vermelho-castanha, com as partes iridescentes do macho, magenta e dourado, o cinza-esbranquiçado da fêmea, com a coloração variada da cauda, os distinguem de imediato logo que pousam à luz do sol, o que sempre fazem distendendo a cauda.

MACHO -ADULTO - BRIGANDO -

Esta foto foi gentilmente cedida para esta matéria por Adams Serra, feita em Governador Valadares-MG, nas Chacaras Braunas em 28.07.2010.
Observação do autor:  Depois de quatro dias no meu quintal, o beija flor vermelho cansou de ser atacado pelo tesoura e não voltou mais. Nesta foto estava focalizando o vermelho que esta pousado tranquilo, quando o tesoura apareceu. Infelizmente tem sempre um galhinho para atrapalhar. 

Observações: Entre as flores preferidas encontram-se as verbenáceas, voquisiáceas, acantáceas, cactáceas, rutáceas, rubiáceas, labiadas, musáceas. eles gostam muito das voquisiáceas...

MACHO - ADULTO - ALIMENTANDO -

Esta foto foi gentilmente cedida para esta matéria por Stephen Jones, feita na Fazenda Pedra D'anta - Lagoa dos Gatos-PE, em 13.10.2010.

Ruschi fez muitos estudo à partir de 1.943, anilhando e acompanhando esta espécie.
Esta espécie é muito belicosa, mas, quando em migração, torna-se tímida e é muito perseguida na área de alimentação das células de repovoamento. Por isso permanecem por poucos dias nessas áreas.
Nos campos floridos, porém, continuam e passam a nidificar nessa área, e , após procriarem, emigram para o Sul, em outubro, e em abril e maio vem do Sul para o Norte.
Citação: Aves do Brasil - beija-flores - Augusto Ruschi


 FÊMEA - FILHOTES - 

Foto gentilmente cedida para esta matéria por Michel Giraud Audine, feita na Guiana Francesa (Fora do Brasil/EX), em 17.08.2008


FAMILIA TROCHILIDAE
SUBFAMILIA TROCHILINAE
Ordem trochiliformes

Chrysilampis - do grego khrysolampis = vaga-lume, pirilampo.
mosquitus    - do espanhol mosquito = mosquito, pequena mosca (referência ao tamanho pequeno e ao zumbido desta ave durante o vôo).
Citação: Aves Brasileiras, Johan, Christian Dalgas Frisch


OVO - NINHO 

Foto gentilmente cedida para esta matéria por Vital Teixeira, feita Estrada do Machadinho, Itagibá-BA, em 12.09.2010
Observação do autor: Quando cheguei o ninho estava sem a ave, quando comecei a fotografar ela chegou, saí para não causar um estresse maior, sem tirar, talvez, uma foto 

BEIJA-FLORES DO BRASIL - NÚMERO 7

Esta semana no exterior o Blog foi visto no Egito.

No Brasil nas cidades de: Muzambinho-MG,  Pirajuí-SP, Pereira Barreto-SP, Resende-RJ  e Serra Azul-SP.


6 comentários:

  1. Oi Ademir,
    fiquei encantada com este maravilhoso post, imagens lindíssimas, um texto cheio de valiosas informações, aprendi mais um pouco sobre essa ave que tanto me impressiona, parabéns!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. EU SOU PAULA COSTA. MUITO LINDO ESTES POST. UMA CURIOSIDADE OS BEIJA FLOR ALIMENTA SEUS FILHOTES COM O QUE?

    ResponderExcluir