sábado, 12 de março de 2016

Sapo cururu

Rhinella icterica



Anfíbios - Sapo

Classe: Amphibia
Subclasse: Lissamphibia
Ordem: Anura
Subordem: Neobatrachia
Superfamília: Hyloidea (=Bufonoidea)
Família: Bufonidae

TAMANHO13 cm (macho); 15 cm (fêmea)

OCORRÊNCIARegiões sul e sudeste do Brasil.

ESTRATÉGIA DE REPRODUÇÃODesova em lagoas temporárias e permanentes. Os ovos ficam protegidos num cordão de gel com alguns metros de comprimento que é enrolado na vegetação aquática.

Esta espécie de sapo é muito comum de ser encontrado em áreas habitadas por causa da fartura de comida proporcionada pela iluminação (lâmpadas dos postes e das casas) que atraem uma grande quantidade de insetos. É um bicho muito útil ao homem porque ele controla a população de insetos e lesmas, pragas da agricultura. Um único sapo adulto pode devorar 10 mil insetos em 3 meses.


Até ratos pequenos fazem parte de seu cardápio. Vem desaparecendo em muitos lugares por causa da poluição e drenagem das lagoas, locais onde ele procria. As fêmeas, que são maiores que os machos (como ocorre para a maioria das espécies de anfíbios), atingem o tamanho de 15 cm. Em Massaranduba (SC), um menino encontrou no quintal da casa dele um exemplar macho medindo 23 cm. É o maior já encontrado até hoje desta espécie.
Citação:Instituto rã-bugio para conservação da biodiversidade.



Colaboração, texto e identificação da espécie
Felipe Bittioli R. Gomes
Biólogo, Mestre em Ecologia e Comportamento Animal, Doutorando
Programa de Pós-graduação em Ecologia - PPG-Eco
Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA
Manaus - AM

Importância para o meio ambiente
Os anfíbios, assim como todos os outros seres vivos, são parte integrante da natureza, sendo importante elo na grande teia alimentar de nossos ecossistemas. Seus ovos e girinos servem de alimento a peixes, aves e a uma infinidade de outros aquáticos. Os jovens e adultos entram na composição da dieta de muitas cobras, lagartos, aves, mamíferos, peixes e outros anfíbios.
Citação: Animais venenosos - Revista do Instituto Butantan

BICHOS DE ARCEBURGO/MG -  NUMERO 12

ANFÍBIOS DE ARCEBURGO/MG - NUMERO 1

Um comentário:

  1. O Sapo

    Não há jardineiro assim,
    Não há hortelão melhor
    Para uma horta ou jardim,
    Para os tratar com amor.

    É o guarda das flores belas,
    da horta mais do pomar;
    e enquanto brilham estrelas,
    lá anda ele a rondar...

    Que faz ele? Anda a caçar
    os bichos destruidores
    que adoecem o pomar
    e fazem tristes as flores.
    Por isso, ficam zangadas
    as flores, se se faz mal
    a quem as traz tão guardadas
    com o seu cuidado leal.

    E ele guarda as flores belas,
    a horta mais o pomar;
    brilham no céu as estrelas,
    e ele ronda, a trabalhar...

    E ao pobre sapo, que é cheio
    de amor pela terra amiga,
    dizem-lhe que é feio
    e há quem o mate e persiga

    Mas as flores ficam zangadas,
    choram, e dizem por fim:
    - «Então ele traz-nos guardadas,
    e depois pagam-lhe assim?»

    E vendo, à noite, passar
    o sapo cheio de medo,
    as flores, para o consolar,
    chamam-lhe lindo, em segredo...

    Afonso Lopes Vieira, in 'Animais Nossos Amigos'


    Desculpe, o texto um pouco longo, mas o sapinho merece este poema!
    beijo
    Angela

    ResponderExcluir