sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Sete-cascas

Samanea tubulosa (Benth.) Barneby & J.W. Grimes


Família Leguminosae-Mimosoideae

Nomes populares - alfarobo, abobreira, farinha-seca, sete-cascas, feijão-cru, pau-de-cangalha, ingá-de-pobre

Características morfológicas- Altura 4-18 m, dotada de copa arrendondada. Tronco mais ou menos ereto e cilíndrico, revestido por casca grossa,


 fissurada e muito suberosa, de 25-45 cm de diâmetro. Folhas compostas bipinadas, com eixo comum (pecíolo + raque ) tomentoso de 8-28 cm. Pinas opostas ou alternas, com numero de 1-4 pares, com eixo comum de 1-7 cm. Folíolos opostas, discolores, glabrescentes na face superior e tomentosos na inferior, curto-peciolulados, de 2-5 cm de comprimento por 1-4 cm de largura. Inflorescências em capítulos terminais em agrupamentos de 6-15 cada um com 12-20 flores, sobre pendunculos de 4-10 cm de comprimento. Fruto legume séssil indeiscente 1-2 por capitulo, geralmente eretos, de 10-18 cm de comprimento, com 20-30 sementes. É muito semelhante a especie Samanea inopinata (Harms) Barneby & Grimes que ocorre na mata higrofila sul baiana.


Ocorrência - Mato Grosso do Sul  e Mato Grosso no Pantanal Matogrossense e Chapada dos Guimarães, sul do Pará e BaixoAmazonas e Bahia no vale do São Francisco. Também no Paraguai e Peru.

Madeira - Pesada (densidade 0,78 g/cm³), dura, textura média, grã direita, de média resistência mecânica e moderadamente durável.

Utilidade - A\ madeira é empregada apenas localmente para marcenaria, moirões e para lenha. A árvore é ornamental e muito cultivada para arborização rural. A vagem é forrageira para o gado vacunO.

Informações ecológicas - Planta caducifolia, heliofita, seletiva higrofita, pioneira, características da mata semidecídua do Pantanal Matogrossense, da mata caducifolia do vale do São Francisco e das savanas Amazônicas. Apresenta frequência geralmente baixa, com dispersão bastante descontinua e irregular ao longo da sua área de distribuição. Ocorre preferencialmente em capoeiras e áreas abertas como colonizadora em várzeas aluviais e beiras de rios, onde o solo é bastante suprido de água e de boa fertilidade. Produz anualmente moderada quantidade de sementes viáveis, disseminadas por animais domésticos.

Fenologia - Floresce durante os meses de agosto a novembro. Os frutos amadurecem no final da estação chuvosa (maio-julho).

Obtenção de sementes - Colher os frutos (vagens) diretamente da árvore quando iniciarem a queda espontânea ou recolhe-los no chão sob a planta-mãe logo após a queda. Em seguida devem ser abertos manualmente para a retirada das sementes. Um kg contém aproximadamente 1.200 unidades.


Produção de mudas -  Colocar as sementes para germinação logo que colhidas em canteiros de semeadura a pleno sol contendo contendo substrato organo-arenoso. Em seguida cobri-las com uma camada de 0,5 cm de substrato peneirado e irrigar duas vezes ao dia. A emergência ocorre em 4-6 semanas e a taxa de germinação geralmente é baixa. Sua escarificação melhora a germinação. O crescimento das plantas no campo é rápida.

Citação - Árvores Brasileiras - Volume 02 - Harri Lorenzi.

Nota do Blog - Especie que introduzi aqui em Arceburgo/MG. Fiz estas fotos na mata ciliar do nosso Rio da Onça. Neste dia avistei vários beija-flores visitando-a, de umas 3 especies, além de algumas borboletas.

ARVORES DE ARCEBURGO/MG - NUMERO 23

JARDIM   DOS  BEIJA-FLORES  -  NUMERO 23

Um comentário:

  1. Lindas representações da natureza!
    deixo votos de Feliz Natal, paz, amor, alegria e muita saúde :)
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir